BIOINFORME

Sífilis

Doença infecciosa causada por uma espiroqueta denominada Treponema pallidum e transmitida por contato sexual ou por via materno-fetal. Dependendo do estágio da infecção e da resposta individual, tem uma variedade de apresentações clínicas.Evolui em quatro fases: primária, secundária, latente e terciária, sendo infectantes apenas as duas primeiras. A lesão típica da fase primária é o cancro duro, que consiste em uma úlcera mucocutânea indolor, com bordas endurecidas, que aparece entre 10 a 90 dias (21 dias em média) após o contágio. A fase secundária aparece em torno de seis semanas após a lesão primária e se caracteriza por adenopatias, lesões cutâneas e pela presença de condilomas planos (altamente infectantes). Após esta fase, há um período que dura em torno de quatro anos, chamado de latente. Cerca de um terço dos pacientes não tratados ou inadequadamente tratados evolui para a fase terciária, que se caracteriza por lesões cutâneas, comprometimento do sistema cardiovascular e do sistema nervoso central.

A infecção pelo Treponema pallidum induz à formação de dois tipos de anticorpos: os treponêmicos e os não-treponêmicos. Os primeiros são específicos contra o Treponema pallidum, podem ser detectados a partir da segunda semana de infecção, tendendo a permanecer positivos por vários anos e por vezes por toda a vida. Na fase inicial (duas primeiras semanas), são da classe IgM, e, a partir da 4ª semana, da classe IgG. São detectados pelos testes de imunofluorescência indireta (FTA-ABS), por hemaglutinação passiva (TPHA) e mais recentemente por ensaios imunoenzimáticos.3

Os não-treponêmicos detectam a presença de anticorpos inespecíficos, que reagem com a cardiolipina, componente natural de vários tecidos por provável reação cruzada. Estes anticorpos são detectados pela reação de VDRL (Venereal Disease Research Laboratories) a partir da segunda semana de doença e tendem a negativar em tempo variável, dependendo da fase em que foi instituído o tratamento.

Os títulos caem rapidamente, em geral negativando em cerca de seis meses a um ano, quando a doença é tratada na fase primária ou secundária. Quando o tratamento é tardio, na fase latente ou terciária, os anticorpos não-treponêmicos podem permanecer reativos, com baixos títulos, indefinidamente.