BIOINFORME

Complemento total (CH100%)

Utilizado tanto na avaliação quanto na monitoração da terapia do lúpus eritematoso sistêmico (LES), na pesquisa da deficiência de componentes do complemento e na pesquisa de formação de imunocomplexos nas mais diferentes patologias.

A dosagem do complemento total por ensaio imunoenzimático (CH 100%) permite uma melhor padronização e melhor eprodutibilidade de resultados do que pelo método de hemólise quantitativa (CH 50%) anteriormente utilizado. O ensaio imunoenzimático (CH 100%) permite detectar valores diminuídos do complemento total, porém não diferencia níveis normais de aumentados por não ter um limite superior. Mas valores aumentad os do complemento total não têm importância clínica, podendo ser encontrados em processos inflamatórios (resposta de fase aguda).

A redução da atividade do complemento associa-se a uma série de patologias e pode ser resultado de um ou mais fatores, como consumo de complemento por formação de complexos imunes antígeno-anticorpo; deficiência de um ou mais componentes do sistema complemento; e deficiência do inibidor de C1 esterase, responsável pelo edema angioneurótico. Como algumas proteínas do sistema complemento — como C3 e C4 — são consideradas de fase aguda, pode haver hipercomplementemia em quadros inflamatórios, como uma resposta a esta fase.

Cuidados especiais devem ser rigorosamente observados durante a coleta, pois interferem criticamente nos resultados. Após a coleta do sangue, deve-se aguardar a coagulação, separar o soro por centrifugação e imediatamente congelá-lo.

MÉTODO: Ensaio imunoenzimático.

AMOSTRA: Sangue (tubo sem anticoagulante).