BIOINFORME

Hormônio gonadotrófico coriônico (hCG)

É um hormônio glicoprotéico, produzido pelas células do sinciciotrofoblasto da placenta, útil no diagnóstico precoce da gravidez, usualmente após o segundo dia de atraso menstrual ou 16 dias após a concepção. Em alguns casos, pode ocorrer uma detecção mais tardia dos níveis de hCG, indicando-se a repetição do exame caso a paciente permaneça em amenorréia.

Os valores se elevam exponencialmente até por volta da 10ª à 12ª semana, quando atingem seu pico. Segue-se um rápido declínio e logo depois o nível se estabiliza. Em geral, no início da gravidez, a cada 36 a 48 horas há uma duplicação do valor anterior. A elevação de hCG é sinal de uma gestação saudável. Devido à grande amplitude de variações, sua dosagem não tem valor na avaliação de tempo gestacional. Nas gestações múltiplas, os níveis encontrados são mais elevados. Dosagens seriadas podem ajudar a esclarecer situações como gestações ectópicas ou abortamento. Na prenhez ectópica, deve-se tomar cuidado na interpretação dos valores de hCG, pois nesses casos a secreção é menor do que na gravidez intra-uterina. Nos casos de abortamento, os níveis caem pela metade a cada 36 a 48 horas.

Outros tecidos podem produzir hCG, sendo útil no diagnóstico e acompanhamento de tumores trofoblásticos, e em outras malignidades que podem produzir hCG ectopicamente, como insulinoma, carcinomas de pulmão, pâncreas, estômago, cólon, fígado e mama. No homem, sua dosagem é útil para o diagnóstico e monitoramento terapêutico de malignidades testiculares. Resultados falso-positivos podem ocorrer com o uso de medicamentos baseados em hCG.

INDICAÇÕES:

MÉTODO: Ensaio imunoenzimático por quimioluminescência.

AMOSTRA: Sangue (tubo sem anticoagulante).